15 setembro, 2012

4 de Setembro - Amor Verdadeiro - Parte Final



 “Assim vocês conhecerão a vontade de Deus, isto é, aquilo que é bom, perfeito e agradável a Ele”  Romanos 12:2
(continuação...) Ele aprumou os ombros largos e levantou o livro, indo em direção à mulher, sentindo-se mal com o amargor de seu desapontamento... “Eu sou o tenente Blandford e você é a senhorita Hollis. Fico tão feliz que você tenha podido vir encontrar-me. Posso convidá-la para jantar?” O rosto da mulher se abriu num sorriso condescendente. “Não sei do que você está falado, filho”, ela respondeu. “Essa moça de vestido verde, essa que acabou de passar, me pediu para usar esta rosa vermelha no meu casaco. E ela disse que, se você me convidasse para sair, eu deveria dizer-lhe que ela o está esperando no grande restaurante que fica do outro lado  da rua. Como eu tenho dois filhos no exército, não me importei de fazer-lhe o favor”. (Sumalight Ish-Kishor).
Reflexão Dirigida:
1) Quando distribuimos amor somos surpreendidos pois ele volta em nossa direção.
2) Não podemos imaginar o bem que nossas palavras podem fazer a alguém.
3) Deus nos surpreende transformando situações impossíveis aos nossos olhos.

3 de Setembro - Amor Verdadeiro III



 “Quem ama não é grosseiro e nem egoísta” 1 Coríntios 13:5
(continuação...) Neste momento ele viu Hollis Meynell. Ela estava mais atrás, em pé, quase na mesma direção da moça loira, uma mulher que já passara dos quarenta, seu cabelo meio grisalho aparecendo sob o chapéu surrado. Era mais do que roliça e seus pés de tornozelos grossos estavam enfiados em sapatos de saltos baixos. Mas ela usava uma rosa vermelha na lapela amarrotada de seu casaco marron, tinha um brilho sincero e bondoso em seus escuros olhos e um rosto redondo , tão delicado e agradável. O tenente Blandford não hesitou. Seus dedos apertavam o pequeno e velho exemplar de “A Servidão Humana”, que deveria identificá-lo. Isso não seria amor, mas alguma coisa preciosa, algo talvez mais verdadeiro que amor, uma amizade pela qual ele seria para sempre agradecido... (continua amanhã).

31 de Agosto - Amor Verdaeiro II



 “Quem ama é paciente e bondoso” 1 Coríntios 13:4
(continuação...) Mas, por mais que ele insistisse ela nunca lhe mandara uma fotografia, justificando-se que se o que ele sentisse por ela fosse real e sincero, pouco lhe importaria sua aparência, e que quando ele viesse a Nova York se encontrariam e estariam livres para decidir se parariam ou continuariam a ir em frente. Finalmente chegou o dia: se encontrariam as seis horas da tarde na Estação Central de Nova York e Hollis estaria com um botão de rosa vermelha na lapela para ser identificada. Faltando um minuto para as seis horas, o coração do tenente deu um salto. Uma jovem veio em sua direção. Era alta e magra, com o cabelo loiro cacheado puxado para trás da orelha, os olhos azuis como flores, no seu vestido verde-claro, ela era a própria primavera. Ele começou a andar em sua direção, sem sequer reparar que ela não estava usando qualquer rosa na lapela, e, à medida que ele se aproximava, a moça esboçava um sorriso encorajador... (continua amanhã).

30 de Agosto - Amor Verdadeiro



 “Que tudo o que vocês fizerem seja feito com amor” 1 Coríntios 16:14
Ao abrir um livro entre as centenas de livros enviados pela biblioteca do exército para o campo de treinamento na Flórida, o tenente Blandford encontrou anotações com uma caligrafia feminina. Surpreendeu-se pelas observações ali escritas, pois ele nunca imaginara que uma mulher pudesse entender um coração masculino de modo tão terno. O livro chamava-se “A Servidão Humana” e o tenente descobriu o nome de quem escrevera: Hollis Meynell. Através da ficha da biblioteca conseguiu o seu endereço no catálogo de Nova York. Ele escreveu para ela e recebeu resposta. No dia seguinte ele embarcou para a guerra e continuaram trocando cartas. Por treze meses ela respondeu sem falhar, e quando as cartas dele não chegavam ela escrevia de qualquer forma e isso fez com que ele a amasse e se sentisse retribuído...(continua amanhã).

29 de Agosto - Vida!



“De repente, uma grande tempestade agitou o lago, de tal maneira que as ondas começaram a cobrir o barco. Jesus se levantou, falou duro com o vento e o com as ondas, e tudo ficou calmo” Mateus 8:24 e 26
“Quando me olho no espelho, vejo uma sobrevivente. Não penso em outra coisa, a não ser em viver. Quanto mais deixo o câncer no passado, mais me permito ter esperança e sonhar. Meu corpo finalmente voltou ao que era antes, mas minha alma alcançou outras esferas, ou seja, o plano maravilhoso dos sobreviventes. Agora eu festejo o gosto da manteiga no pão quentinho; a doce limonada que sobe pelo canudinho; as nuvens rosas do poente; o aconchego do meu cobertor; a música que vibra e o cão que late... eu festejo a vida”. (Jack Canfield, Mark Hansen – Histórias para Aquecer o Coração 2). Deus nos sustenta na dor e nos encoraja a prosseguir com fé, crendo que sob sua direção e proteção é possível sonharmos com um novo amanhã.
Reflexão Dirigida:
1) A provação nos leva a um outro nível de relacionamento com Deus.
2) Que possamos agradecer e valorizar as coisas simples do nosso dia a dia.
3) Viver com fé é acreditar que em tudo há um propósito de Deus para nós.